BAUHAUS, EAMES, GEORGE NELSON, ALVAR AALTO, EERO AARNIO, SHIGEAKI ASAHARA,OITICICA, LYGIA CLARK.

JUNTOS E MISTURADOS, NA NOVA IDENTIDADE VISUAL DA RECICLO



O design de móveis e de objetos está presente na história da Reciclo, determinantemente, há 26 anos. E agora, após 16 anos situada em uma casa marcante e inspiradora, a agência inicia um novo período em uma nova sede.

O design foi determinante para nos mantermos fiéis à nossa identidade. Foi o trabalho de grandes designers que nos permitiu encontrar um caminho para as questões que nos inquietavam: “a nossa personalidade tem de estar presente”; “nossa equipe e clientes precisam perceber que a experiência de estarem na Reciclo não mudou, aprimorou”; “queremos um ambiente acolhedor, que inspire e que respire design”.


Toda a identidade visual foi pensada para ser transformada, customizada de acordo com a interação de nossa equipe e visitantes, pensada para se transformar em mobiliário, com formas mutáveis, diversas, formada por blocos que podem ser modificados por qualquer pessoa. A cada dia, um novo móvel ou um painel pode se transformar. Um novo facho de luz muda sua direção, um objetivo colorido modifica todo o ambiente ao ser trocado de lugar.


Arte e design.

os lados A e B de nossa identidade visual


O conceito do projeto da nova identidade visual da Reciclo está nas formas, nas cores e na função de suas aplicações. A interpretação do conceito depende do olhar de cada pessoa e de sua forma de interagir com o design, com as formas escolhidas, propiciando a eterna criação e o incentivo constante a novas interpretações.


A Bauhaus, juntamente com grandes artistas e designers do século XX, foi uma das inspirações para o projeto. Ela revolucionou o design moderno ao buscar formas e linhas simplificadas, definidas exclusivamente pela função do objeto.


O iconográfico Eames House Bird inspirou nossos pássaros tropicais, cartesianos, modulares, mas, ainda assim, exuberantes.


A House Of Cards, também de Ray e Charles Eames, foi uma das bases de nosso enxoval impresso e inspirou a escolha do papelão para algumas peças gráficas e decoração.


Já o Sun Burst Clock, de George Nelson, em destaque na sala de reuniões principal, está ao lado de um painel de madeira (#plywood) também transformado em luminária.


Os parangolés de Hélio Oiticica inspiraram nossas cores, recortes e bandeiras.


Já a mineira Lygia Clark inspirou o desenho das mesmas. Os movimentos concreto e neoconcreto brasileiros na década de 50, nos quais Lygia foi uma de suas expoentes, também nos inspirou a utilizar tintas e materiais industriais na reciclagem de alguns móveis: rodízios de alto impacto para andaimes, roldanas, luminárias e cintas de transporte de carga.


Todas as estações de trabalho da Reciclo possuem um painel da mesma madeira, no estilo #pegboard, totalmente modulares e que atendem às necessidades específicas de quem ali está trabalhando no momento. Os painéis servem como estantes ou um grande #moodboard, onde você pode prender fotos, textos, recortes, cartões e notas, além de servir de apoio para equipamentos eletrônicos, copos e canecas, pendurador de bolsas, suporte para óculos, carteiras, livros, hds e demais itens pessoais e de decoração.



Um banquinho ícone que atravessa gerações


"The simple geometry of Stool 60 has an elemental power"

O banco Stool 60 de Alvar Aalto, fonte de inspiração para nosso mobiliário, ganhou releituras exclusivas para o projeto da agência. E por que o Stool 60 é um ícone? Alvar Aalto era um arquiteto arrojado e inovador e também um excepcional designer de móveis, sendo um dos pioneiros no processo de dobrar a madeira. O sucesso imediato do design do Stool 60 se deveu ao fato de que os bancos era multiuso (mesa de canto, de centro, banquetas) e facilmente empilhados, economizando espaço de armazenamento e antecipando uma tendência.










38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo